[circle top="0" width="186" class="th" right="-110rem" stroke-width="4"]

Patrick John Marris

Eu acredito que tenho
duas vidas agora.
Raízes aqui e raízes lá.

Patrick passou seis meses no Chile, aprimorando seu espanhol e conhecendo uma nova cultura. Mas os projetos em aberto o fizeram migrar novamente e, hoje, ele se considera um cidadão com raízes em dois lugares

Sou diplomado em Design Gráfico e tenho um certificado de professor de inglês. Na Austrália, eu tinha minha própria empresa de design gráfico e, antes disso, trabalhava com turismo. Em determinado momento, comecei a pensar em atuar em outros lugares, como a América do Sul ou a América Central. Com as qualificações que tinha no ensino da língua inglesa, essa era a minha melhor opção. Pensei em lugares como o Brasil, a Colômbia ou o Chile.

Em Melbourne, tinha conhecido um chileno que era dono de um instituto de inglês, no Chile. Fiz uma entrevista via Skype e fui trabalhar lá. Meu plano inicial foi passar seis meses nesse novo país para aprender melhor o espanhol e retornar. Porém, quando isso aconteceu, percebi que deixei meus projetos pessoais em aberto e, por essas e outras razões, resolvi me mudar de novo.

Voltei sozinho pro Chile tem quase quatro anos e, há dois anos e meio, moro com minha parceira. No mercado de trabalho, nunca fui discriminado, mas as pessoas têm preconceitos com quem vem de outro lugar. De vez em quando, me chamam de gringo e levo isso como uma piada entre amigos, mas, às vezes, isso me incomoda. Não é uma discriminação forte, mas é uma palavra que cria e reforça estereótipos.

Sobre a questão laboral, penso que o maior obstáculo é a língua. Se você não fala espanhol, é difícil encontrar trabalho fora do ensino de inglês. Mas, com o aperfeiçoamento da minha pronúncia, as oportunidades se abriram muito. Hoje, continuo ensinando inglês, comando passeios turísticos em uma empresa chamada Bicicleta Verde e faço freelances de design para o Servicio Jesuita a Migrantes.

Não tenho nenhum plano fixo, mas imagino que, nos próximos anos, terei que voltar para o meu país. Meus pais estão envelhecendo e isso é algo que me faz pensar. Meu principal desafio é ficar longe da minha família enquanto isso acontece. É difícil estar tão longe. Eu acredito que tenho duas vidas agora. Tenho raízes aqui e raízes lá.

Fotos: Hernan Blanco
Compartilhar: